Todos os países
Estudo descobre que o milho está presente na dieta da população da costa do Peru há 5 mil anos — Novidades e fotos no AllBiz Brasil
Todas as seções
All.BizBrasilNotíciasCiência e tecnologiasEstudo descobre que o milho está presente na dieta da população da costa do Peru há 5 mil anos

Estudo descobre que o milho está presente na dieta da população da costa do Peru há 5 mil anos

26  Fe 2013 06:28 | Ciência e tecnologias

Por décadas os arqueólogos vem tentando entender o surgimento de uma civilização sul-americana diferente durante o fim do período Arcaico (3.000-1.800a.C) no Peru. Uma das questões tem sido o papel da agricultura e, em particular, do milho na evolução das sociedades complexas e centralizadas. Até agora a teoria que prevalecia era de que recursos marinhos - e não a agricultura e o milho - eram o motor econômico por trás das civilizações andinas. Agora, uma descoberta do pesquisador Jonathan Haas, curador do Field Museum, em Chicago, nos EUA, fornece um novo olhar sobre o tema, a partir de evidências encontradas no solo, em ferramentas de pedras e coprólitos de antigos sítios arqueológicos.

Depois de anos de estudo, Haas e seus colegas concluíram que durante o período Arcaico, o milho era um componente principal da dieta das pessoas que viviam na região do Norte Chico, no Peru. A pesquisa foi publicada na edição desta segunda-feira da revista "Proceedings of the National Academy of Sciences" (PNAS).

- Estas novas evidências demonstram claramente que a civilização emergente da América do Sul era de fato baseada na agricultura assim como outras grandes civilizações da Mesopotâmia, do Egito, da Índia, e da China - diz Haas.

Haas pesquisou sítios nos vales desertos de Pativilca e Fortaleza, ao Norte de Lima, onde evidências botânicas apontaram para a extensa produção, transformação e consumo de milho entre 3.000 e 1.800 a.C. Eles estudaram um total de 13 sites. Os dois locais mais estudados foram Caballete, cerca de seis milhas para o interior a partir do Oceano Pacífico e que consiste em seis montes grande plataforma dispostos em "U", e no site da Huaricanga, cerca de 14 milhas para o interior e constituído de um monte muito grande e vários montes muito menores de ambos os lados.

Os cientistas apontaram várias áreas nos locais, incluindo residências, poços de lixo, salas cerimoniais, e parques de campismo. Um total de 212 radiocarbonos foram obtidos no decurso de todas as escavações.

Restos macroscópicos de milho (grãos, folhas, caules e espigas) foram raros.

No entanto, a equipe analisou mais profundamente e encontrou várias evidências microscópicas de milho em várias formas nas escavações. Um dos mais claros marcadores foi a abundância de pólen de milho, em amostras de solos pré-históricos. Como o milho é cultivado na área hoje, eles foram capazes de impedir a contaminação dos dias modernos, porque os grãos de pólen de milho modernos são maiores e ficam vermelho escuros quando a mancha é aplicada. Além disso, amostras de solo modernas consistentemente contêm pólen de pinheiro australiano (Casuarina Casuarinaceae), uma planta que é uma espécie invasora da Austrália nunca encontrada em amostras pré-históricas.

Fonte:  globo

Notícias da rubrica: Ciência e tecnologias

Compare0
LimparPosições escolhidas: 0